A dualidade é, e deve ser, uma ilusão, pelo menos mental, que deve ser sempre consciente. A unidade é Una e uma só. Ela mescla-se, à boa maneira taoista, de amor e aceitação incondicionais, quais faces simétricas da mesma e única moeda. Mesmo que, no limiar, uma parte do Ser se desvaneça às mãos da segunda (a aceitação) sem que o primeiro (o amor) saiba ou possa confortar.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

ame.

anular-se

aceite-se.

raiar

na compaixão