Não seja escravo, nem de si.

 
 
O Ser pode e deve ter sempre Consciência de Si mesmo. Do que É. De quem Ama, no seu amâgo essencial, e do que gosta, na sua periferia existencial. Do que quer, no alto da sua Vontade, forjada na sua determinação férrea.

O Ser pode e deve ter tudo isso: em responsabilidade última e inalienável para consigo mesmo, a todo o tempo, a todo o momento, aqui e agora.
 
Já não lhe é lícito, jamais, ser seu próprio escravo, porque anulação de si mesmo numa redoma que não respira, não aceita o devir e que se desvanece.
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

anular-se

ame.

aceite-se.

raiar

na compaixão