Único Madalena Palma Mad fotos

Ontem, ao completar dois anos de directriz, escrevi – e não publiquei – isto:

“Não dá mais! Este meu blog, que para mim nunca foi um simples blog, deixou de me alegrar.
Nos últimos tempos só os meus virtuais amigos, em especial alguns da minha passadeira vermelha, o justifica. É pouco, mas é com eles que aqui, todos os dias, tento sorrir e esboçar esgares amigos. De quem naturalmente se identifica e que, muito ou pouco, lhes partilha: o possível e o mensurável. Ou seja, pouquíssimo ou mesmo nada.
Não os enumero. Eles sabem que o são. A todos não esqueço e vou continuar a ouvir-vos, mais do que outra coisa. Não estranheis, contudo, o(s) meu(s) silêncio(s). De todos guardo já o melhor que se pode guardar na amizade: saudades.
Por não sentir já prazer e alegria com o blog, dele me afasto. Porventura, já mais.”

Hoje, não sei já mais o que escrevo. Nem o que sinta.

Comentários

Su disse…
buaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

detesto ter saudades

detesto a ausencia

detesto detestar


jocas maradas...sempre
Nilson Barcelli disse…
Isto acontece.
Mas às vezes passa.
Espero que te passe e que fiques.
De contrário acabará por ficar um vazio. Sinto isso em relação a alguns que desapareceram.
Um abraço.
LN disse…
Não... o melhor que se pode guardar na amizade não são as saudades. São as memórias (sorriso), que podem ser lembranças de um ontem como de um hoje, manhã cedo. Ou de agora. A saudade tem a nostalgia do perdido. E nada de perdido, por aqui, sim?
E se alguns, além de si, forem razão de continuar, nada mau... que a vida é principalmente feita sózinho, com a excepção (que se pode querer e crer frequente) dos momentos preciosos que se partilha caminho com alguém...

Deixe-se ao hoje o seu perfil, então. Que amanhã (ou mais logo) outros traços de perfil se (re)construam. Beijos.
Berdades disse…
"Nada se perde, tudo se transforma"
É o que espero dessa IDEIA de não continuar. Transforme-a e que continue em directriz ao futuro, porque são estes cantinhos que procuramos quando estamos sós a pensar nos outros. Assim espero.
Um abraço
Vênus disse…
"Com palavras amo".
Este é o segredo e não pare, apenas escreva quando sentir vontade, escreva para você, deixe que o silêncio seja quebrado somente quando o vento passe.
Beijos
Rui Caetano disse…
As motivações vão e vêm, não desistir deverá ser o lema, se uns dias escrevemos mais nos outros será menos, essa fase já me aaconteceu, mas resisti e cá estou ainda.
Ribatejana disse…
Há dias assim. Dias em que não sabemos o que sentir. Em que apetece desistir. Mas espero que esse seja um sentir passageiro, que dê lugar ao ficar.
:)
Lília disse…
Questionar o que fazemos, por vezes, faz parte da arte de por este mundo andar.
As palavras contam, o silêncio também. Desde que se siga o que a alma nos pede.
Claudia Perotti disse…
Não vai não, tá?

Beijinhosssss
Hummm... só posso concordar consigo.
A coerência é algo admirável.

Mas deixo o pequeno reparo de que o sol continua a brilhar por cima das nuvens: a não esquecer! :)
É sempre bem vindo, claro.
Por todas as gentilezas, um abraço afectuoso!
Anónimo disse…
A (in) felicidade de um blog é que apenas ouvimos as palavras dos outros, pela nossa própria leitura de dentro. Às vezes apetece saborear a palavra dita, no discurso presente e pela da voz directa e amiga do emissor.

Élvio Sousa

Mensagens populares deste blogue

aceite-se.

ame.

anular-se

raiar

na compaixão